Helena Iglesias
Engenheiro de Projeto Júnior

Entrevista conduzida por Muito segura por ocasião da recente incorporação da Helena à ebroker e sua participação ativa em projetos estratégicos. Lançado em julho de 2021.


A ebroker é uma das empresas líderes em tecnologia no setor de seguros espanhol. Em seus mais de vinte e um anos de experiência, a ebroker sempre se mostrou como uma empresa que fez da inovação uma de suas principais marcas.

À sua dinâmica permanente de inovação de produto, agora a ebroker acrescentou uma fórmula original de inovação organizacional que visa melhorar a gestão dos processos de desenvolvimento de software.

Teria sido uma prática comum solicitar um serviço de consultoria para este fim, no entanto, a ebroker decidiu transformar a sua necessidade em questão de natureza académica e por motivo e objeto de projeto de mestrado final de um jovem engenheiro.

Todo um compromisso com esse jovem talento tão necessário e essencial para o futuro do setor segurador espanhol.

Sem dúvida, uma iniciativa que merece ser contada, mas quem melhor para contá-la do que a própria Helena.

Helena, 25 anos, engenheira de tecnologias industriais, mestre em engenharia industrial. O que uma jovem como você está fazendo em um setor como este?

Eu terminei minha graduação em Engenharia em Tecnologia Industrial pela Universidade de Oviedo, e só no final daquele ano, 2019, iniciei o Mestrado em Engenharia Industrial na Universidade Carlos III de Madrid com a ideia principal de passar alguns anos na capital a ocupar um cargo numa empresa de consultoria para se formar e acabar regressando às Astúrias.

Tendo concluído o meu último curso de Master à distância da minha casa em Pravia (Astúrias), devido à Covid-19, a minha visão mudou e considerei que poderia ser uma grande oportunidade de fazer parte de uma empresa como esta, tecnológica, de grande já viajei até a porta da minha casa.

Não ponho neste setor por acaso, minha família está fortemente ligada ao setor e embora para muita gente seja uma grande estranha, no meu caso sei o potencial que tem e o estado em que se encontra, totalmente digital transformação e alívio geracional. Uma ótima oportunidade para os jovens.

Há uma tendência de ver a engenharia como uma questão de homens com capacetes rodeados por máquinas industriais. Estamos definitivamente superando esse estereótipo?

No total, apesar de ainda haver uma maioria masculina nesse tipo de curso, posso dizer que, desde a primeira pessoa, as engenheiras fazem mais barulho a cada vez. Ainda assim, gostaria de destacar a importância de apostar na igualdade de oportunidades em qualquer setor laboral, numa equidade de critérios para os trabalhadores independentemente do género e porque não, agradeço a todas as empresas e todas as mulheres que vão um passo à frente e ocupam e promovem a imagem feminina em cargos de responsabilidade.

Por outro lado, o estereótipo que você mencionou está mudando, vendo as oportunidades de carreira em engenharia como apenas os empregos na "indústria pesada" acabaram. Os engenheiros industriais possuem, para além de conhecimentos em inúmeras áreas como energia, estruturas, electrónica, uma grande capacidade de gestão e visão de negócio, e isso é algo que cada vez mais as pessoas percebem e exigem no trabalho.

O estereótipo está mudando: ver as oportunidades de carreira em engenharia apenas como empregos da 'indústria pesada' está fora de questão

A exigência de experiência anterior é uma das desvantagens que os jovens encontram ao entrar no mundo do trabalho. Como você superou essa circunstância para se juntar à equipe do ebroker?

Como já disse, estou na última etapa da minha formação acadêmica, aguardando a apresentação da minha Dissertação Final de Mestrado na Universidade Carlos III de Madrid. Considerei uma grande oportunidade a possibilidade de realizar este trabalho a partir de uma empresa, e que fosse de valor e aplicável ao seu dia a dia. Desta forma, e em acordo com a ebroker, foi estudada a possibilidade de desenvolver um projeto académico envolvendo a análise e desenho de uma proposta de melhoria de alguns dos seus processos. Após confirmação pelo ebroker e validação pela universidade, começamos a trabalhar e me juntei à equipe de engenharia de projeto.

Conte-nos um pouco sobre este interessante projeto que propõe uma ponte original entre o mundo universitário e o mundo do trabalho. Em que consiste? Ele pode representar sua continuidade como parte da equipe do ebroker?

Numa perspetiva de alto nível, a minha Dissertação de Mestrado consiste na análise e melhoria de um dos processos realizados no ebroker, em particular, o desenvolvimento de projetos que envolvam a construção de software. Este projeto envolveu a aplicação de novas metodologias de trabalho, gestão de riscos e a conceção de um plano de controlo para as diferentes fases do processo, ou seja, trabalhos de consultoria numa ótica de engenharia.

Tudo isso se traduz, sem entrar em detalhes técnicos e para o cliente, em um produto ebroker de maior qualidade, que aumentará sua usabilidade e também seu desempenho. Também irá agilizar a implantação dos empreendimentos realizados pela empresa, otimizar recursos e minimizar o risco de falha em novos projetos.

Embora a continuidade na empresa não dependa de mim, ficaria muito entusiasmado em fazer parte da implementação e arranque final deste trabalho que se iniciou na área académica e se pretende concluir como recurso para a gestão empresarial.

Você acha que o setor de seguros é um bom lugar para jovens com o seu perfil desenvolverem suas carreiras profissionais? Você o recomendaria para seu colega de promoção?

Acho que existe um alto grau de desconhecimento em relação ao mundo dos seguros, a maioria das pessoas da minha idade o visualiza como algo cinza, sem saber muito bem as oportunidades que existem neste setor. Acho que representa uma boa oportunidade para as pessoas motivadas pelo desafio de aliar aspectos puramente técnicos a outros altamente orientados para a gestão do negócio e seus resultados. O setor de seguros está passando por uma grande transformação em que as novas tecnologias aplicadas à inovação representam um ótima oportunidade de trabalho. Vale a pena apostar nisso.

Helena, em chave pessoal. Você pode nos ajudar a conhecê-lo um pouco melhor?

Helena é uma perfeccionista de 24 anos, trabalhadora e também, porque não, bastante nervosa e um tanto impaciente.

Adoro viajar, quanto mais longe melhor e se possível sempre perto de uma praia, embora não ache que isso seja novidade entre os jovens. Além disso, sou apaixonada por mar, culinária e moda, nessa ordem. Suponho que, por influência do meu pai, aos sete anos já assistia a corridas completas de Fórmula 1 sentada na cadeira do bar entre um público bem diferente do perfil de uma menina, embora naquela época eu sonhasse com ser um cientista, não um engenheiro.

Baixe a entrevista completa